sábado, 26 de maio de 2007

RESUMO SOBRE O ROMANCE "O APANHADOR NO CAMPO DE CENTEIO", DE J. D. SALINGER

(LIVRO DE CABECEIRA)
Aos dezessete anos, Holden Caulfield narra um aventura vivida aos dezesseis, quando fora expulso do terceiro colégio e decidira retornar imediatamente à casa dos pais. Inicia uma viagem, uma jornada por Nova Iorque, passando por hotéis, bares, Central Park.
Holden Caulfield é herói e vilão ao mesmo tempo, é rebelde, sensível e ama a irmã acima de tudo, mas também é irresponsável, mentiroso e covarde. É o adolescente rico, desajustado, vítima do capitalismo dos Estados Unidos, na década de quarenta, que permite-lhe transitar pelos prazeres mundanos, que, no entanto, são repletos de pessoas interesseiras, falsas.
Em dado momento, Holden Caulfield é assediado pelo professor que admira, o mesmo que dissera que ele estava caindo, tentando mostrar-lhe a anormalidade. A descoberta da homossexualidade do professor o deixa enojado, e consegue fugir do apartamento. Em outro momento, encontra outros adolescentes, entre eles uma ex-namorada que julgava ainda amar, porém, constatou que era estúpida, assim como os demais ali. Seu universo social era de débeis, vazios.
Holden Caulfield perambula pela cidade, à procura de si mesmo, de um sentido para continuar a viver, e rememora momentos marcantes de sua vida. Entre eles, quando a irmã pergunta-lhe porque era rebelde, porque se auto-destruía e porque não gostava de nada. Ele, angustiado, depressivo, evoca a imagem criada pelo poeta escocês Robert Burns, uma metáfora de sua vida. Imaginou um campo de centeio repleto de crianças brincando e a si na borda do abismo apanhando as que caíam! Assim sentia-se, um reflexo de sua geração.
(Arte: "Mona Lisa", de Jean-Michel Basquiat)
(Elson Teixeira Cardoso)

6 comentários:

albertogranato disse...

Elson
Sabe que o tipo de romance que me envolve é exatamente aquele que abre as pessoas com uma navalha e, em cada página lida você sente a lâmina abrir uma camda da sua pele, até que chega um momento em que você percebe que já atravessou todo o corpo, e a lâmina está a dissecar, então, a alma. Exatamente como este romance, como você coloca aí, abre o universo das pessoas ali envolvidas, sua tentativa de misericórdia.
E bela associação, nada melhor que uma imagem do Basquiat, o pintor de rua nova iorquino que bem poderia ser um personagem do Salinger.
Saudações,
Alberto.

Anônimo disse...

o vocalista da banda green day fez uma canção sobre este livro. Recomendaram a ele quando estava na escola, mas enfim, ele não leu. Mas depois de um tempo resolver então lê-lo. Se identificou em partes e então compos "wroten holden caulfield?" is a good old song of band! (:

Lilian Castro de Lima disse...

ele tem 12 anos

Anônimo disse...

Apenas um erro:
Na verdade, o professor Antolini não assedia Holden, apenas faz carinho, porém Holden, por causa da sua falta de carinho, interpreta errado o gesto de carinho do professor, confundindo-o com um assédio.

Anônimo disse...

É muito bom ler esse livro apesar dos palavrões que não lir no livro o apanhador no campo de centeio...

Anônimo disse...

vc é cm força de dragão.que horror.
ass:vanessa castro pinto de almeida alencar.