sexta-feira, 1 de junho de 2007

RESUMO SOBRE A PEÇA "CYRANO DE BERGERAC", DE EDMOND ROSTAND

( LIVRO DE CABECEIRA)
Um apaixonado poeta. Um perspicaz dramaturgo. Um exímio espadachim. Um bravo soldado. Um grande filósofo. Um profundo estudioso da Física, Matemática e Astronomia. Gênio nas artes e nas ciências, Cyrano Savinien Herculés du Bergerac, ou apenas Cyrano de Bergerac, possui qualidades incomuns, porém, a feiúra as encobre, como uma somba sinistra. O nariz avantajado é o motivo de sua frustração. Na França do século XVII, sofre por amar intensamente sua prima, Roxane, jovem, bela, emotiva.
Cyrano de Bergerac, sentindo-se ofendido por um ator medícore, que galanteara Roxane, impede-o de representar sob o pretexto de que era medíocre, e é desafiado a um duelo por um nobre. Enquanto castiga o nobre com a espada, compõe uma balada, ferindo-o no último verso. Após, recebe uma mensagem de Roxanne, que queria encontrá-lo. Supondo que a prima fosse declarar-se enamorada, enche-se de ânimo e, imbatível, ajuda o amigo Ragueneau, poeta, dramaturgo e pasteleiro, que seria morto naquela noite, vencendo nada menos que cem homens, matando cerca de oito.
Durante o encontro com Roxane, na pastelaria de Ragueneau, recebe uma notícia entristecedora. Sua prima amava o jovem cadete do regimento do Capitão Carbon de Castel-Jaloux, Barão Bernard Christian du Neuvillete. Como Cyrano era veterano no regimento, Roxane pede-lhe que proteja Christian. Desolado, aceita. Estava certo que o nariz longo jamais permitiria que tivesse o amor de Roxanne. Cyrano é ofendido por um jovem cadete e o desafia a um duelo. Mas descobre a tempo que é Christian e, para estranhamento dos companheiros, não o fere; antes, o protege. O jovem desculpa-se quando descobre que Cyrano é primo de Roxane e confessa amá-la, mas era ignorante de espírito, não conseguia expressar-se poeticamente. Os dois tornam-se amigos e confidentes, e Cyrano decide ajudá-lo, escrevendo cartas e poemas a Roxane, que apaixona-se cada vez mais, encantada com as belíssimas palavras.
Uma das cenas mais tocantes é quando Christian, sob a sacada de Roxane, diz palavras que são sopradas por Cyrano, a poucos metros de distância. Como Christian não conseguia ouvir direito, o próprio Cyrano derrama-se em palavras de amor, confessando o que julgava ser inconfessável. Mas Roxane achava que era Christian e, encantada, o recebe em seu quarto. Cyrano vai embora, arrasado. Cyrano ainda ajuda Christian e Roxane a casarem-se às escondidas, mas Christian é enviado a uma batalha para morrer, pois um dos mandatários do país intencionava casar-se com Roxane.
Cyrano vai com Christian, para protegê-lo, escrevendo uma carta por dia a Roxane, em nome de Christian. Chora, manchando uma das cartas com a lágrima do sofrimento pelo desamor. Christian descobre que Cyrano amava Roxane e o estimula a declarar-se a ela, para que pudesse escolher entre os dois. É ferido de morte. Mas Cyrano não se declara a Roxane, respeitando o amor que sentia por Christian, ainda que amasse a alma de Cyrano nas cartas que julgava ser de Christian.
Roxane guarda luto permanente por Christian e refugia-se num convento. Depois de catorze anos de visitas diárias a Roxane, Cyrano chega ferido. Nunca rendera-se a bajulações, sempre fora crítico. Uma das críticas publicadas rendeu-lhe um atentado vingativo. Ferido, quase morto, foi visitar seu amor e levar as notícias de fora, como de costume. Inesperadamente, pediu a Roxane para ler a última carta de Christian, que ela carregava consigo, num escapulário. Ele, fraco, debilitado, inicou a leitura e, traindo-se, deixou à mostra o mesmo timbre de voz da sacada, a mesma emoção, o mesmo amor. Roxane, às lágrimas, teve certeza de que ele era o autor da carta, aquele que a embevecera sob a sacada. Disse amá-lo, sempre o amara, a alma das cartas era sua. Mas Cyrano, àquela altura caído, ainda conseguiu dizer-lhe que era tarde. E morreu.
(Arte: Fotografia do ator José Ferrer, premiado pela impressionante interpretação em "Cyrano de Bergerac", na primeira adaptação para o cinema, na década de 40.)

(Elson Teixeira Cardoso)

4 comentários:

Diana Menasché disse...

A Marca de Uma Lágrima, adaptação escrita por Pedro Bandeira, foi um dos livros de que mais gostei na vida!
Eu chorei tanto, tanto, tanto! hehe
Essa história do feio que ama sempre toca uma parte da baixa auto estima que pode se esconder em algum(ns) lugar(es) do coração...

Anônimo disse...

que triste...VAI TOMA NA BUNDA CASSETE

Anônimo disse...

Cyrano é uma bela peça de teatro
Eu acho que a atitude de Cyrano por um lado é certa e por outro não.Ele não fala que ama Roxane para não ferir seus sentimentos.E acho errado porque temos que demonstrar o nosso amor por outras pessoas.

ainatarieiv disse...

Belo texto, história linda de amor e renúncia. Eu também já escrevi cartas de um amigo para uma amiga e ela se apaixonou por ele...viveram juntos por mais de 30 anos.